pesquisar neste blog
posts recentes

#34, #35, #36 - agora é moda

#27, #28, #29, #30, #31, #32, #33,... não, são mesmo só estes

#25 e #26 – Working hard or hardly working?

#23 e #24- Modelos (ou ausência deles)

#22 - WebQDA Inativo

#21 - A pensar no tratamento de entrevistas

#17, #18, #19 e #20 - Fim das Transcrições

#14, #15 e #16 - Não há dois sem três

#12 e #13 - return 1

#11 - Empreendendo

arquivos

Maio 2015

Abril 2015

Março 2012

Fevereiro 2012

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Sexta-feira, 2 de Março de 2012
Teste piloto (LOL grande!!)

 

Uma das tarefas que têm mesmo que ser feitas e não adianta dar a volta é a validação dos inquéritos que está associada à maior parte dos projetos de investigação em educação. A minha investigação não foge à regra. Se a construção de inquérito por questionários não é fácil e os avanços e retrocessos consomem muito tempo, pensar numa aplicação piloto para fazer a validação ainda é menos, principalmente envolvendo alunos. Pois, é esse mesmo o meu caso: o inquérito envolve alunos do 1º ao 12º anos!
Além das duas versões que foram feitas (tendo em conta os escalões etários dos alunos), o estudo piloto (como ditam os entendidos) tem que ser feito numa amostra semelhante à que constitui o estudo. E aqui (pensei eu) vão começar os problemas… Autorizações, envolvimento de uma direção de uma escola “externa” ao estudo, professores colaborantes (ou não) e dias… dias gastos (mas eventualmente não perdidos) para verificar se as questões são mesmo percetíveis. Claro que para ter esta perceção teria que acompanhar presencialmente o preenchimento dos inquéritos…


Pensei que este processo além de “pouco ” interessante, ira consumir tempo sem retorno. De facto não aconteceu nada disso! A direção da escola que contactei foi absolutamente exemplar (e deixo o meu agradecimento muito especial ao Alexandre) e conseguiu fazer um calendário de aplicação invejável, permitindo-me rentabilizar o tempo.


E hoje foi o dia deste teste piloto.

Foi extraordinariamente interessante e ainda mais útil no acerto de alguns detalhes.

Não resisto, porém a deixar algumas situações muito curiosas que aconteceram, organizadas pelo ano de escolaridade dos alunos a quem este estudo piloto foi aplicado. As perguntas/observações que reproduzo na primeira pessoa, evidenciam algumas fragilidades que de tão claras, eram até aí invisíveis. Outras mostram que, sem ser demasiado “lamechas”, o melhor do mundo são mesmo as crianças!


Terceiro ano


Conheço mas não uso! Onde coloco a Cruz?

Produzir? O que é isso?

O tempo que passo no computador é muito pouco. Estou de castigo e só vou uma vez por semana. Como é que que eu ponho em horas por dia?

Trabalhar com ferramentas de produtividade? O que é isto?

A única rede social que uso é o email

Eu escrevo textos numa coisa... Não sei o nome mas parece que é o Windows.

Eu vou todos os dias para o computador. Tenho o melhor computador do mundo - os meus pais ficaram com o Magalhães. (…) Eu tenho o melhor computador do mundo e foi Pai Natal que mó deu mas eu nem pedi... Foi a minha avó que escreveu ao Pai Natal para me dar.

Oitavo ano
O que é “Relevante” ?
Sapo campus escolas é igual ao Sapo?
Não uso mas acho importante!!

Quinto ano
O que é um Telemóvel com acesso à internet?
Não te enganaste a escrever uma palavra? “Posts” não existe em português, sabias?

Décimo ano
Não conheço isto (wiki). Não sei o que é…
[Antes estavam a falar de consultas à wikipédia]


tags: , , ,

publicado por fpais às 20:58

mais sobre mim
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post